SEMPRE MÚSICA . . .

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

[] James Darren

É muito bom poder ver e comprovar que um ídolo “teen” não se perdeu pelo caminho do sucesso com tropeços em excessos de drogas, álcool e a síndrome inevitável de deslocamento.

Este ídolo “teen” nasceu na Filadélfia em 1936 e ainda nos anos 50 já fazia filmes para a moçada saudável, bem no estilo e modelo hollywoodiano...

Cantava baladinhas românticas, e aquele gênero pré-rock’n roll que só americano soube fazer...praia, prancha de surf, camisas estampadas, caras de quem só comem sucrilhos e tomam
iogurte e além disso tiram a nota máxima na feira de ciências do colégio.
Mais clichê americano que isso no momento nem me ocorre...

Em 1961, James Darren participou do clássico “Os Canhões de Navarone, enquanto sua carreira na TV e no disco corria muito bem, obrigado.

Seriados na televisão, músicas que chegavam às paradas da “Bilboard”, apresentações em locais noturnos e desenvolvendo paralelamente uma atividade de produtor e diretor televisivo.

Amigo pessoal de Frank Sinatra e muito chegado da família Sinatra, ele e sua mulher são os padrinhos da filha de Nancy Sinatra.

Também amigo de Tony Bennett, neste cd “Because of You”, James canta alguns dos maiores e mais populares sucessos de Tony:

@ Just one of those things
@ My kind of girl
@ Can’t take my eyes off of you
@ A nightingale sang in Berkeley Square
@ More today than yesterday
@ Blame it on my youth
@ Because of you
@ Good Life
@ I’m a fool to want you
@ Boulevard of broken dreams
@ Our day will come
@ I can give you anything but love
@ My old flame
@ Dream a little dream of me

No melhor estilo de “crooner”, assim como foram Frank Sinatra e Tony Bennet, James Darren neste disco com excelentes arranjos e toda atmosfera de de uma grande e classuda orquestra nos prova aquilo que já sabemos: aquilo que é bom, o tempo só melhora...

(@) Importado, selo “Concord Jazz”, 2001.



Um comentário:

odilon disse...

Com este nível de amizades o moço só podia fazer sucesso mesmo, não é?

Agora, quero resaltar a frase primorosa do post - aquilo que é bom, o tempo só melhora. Serve como uma luva. E sem gozação.