SEMPRE MÚSICA . . .

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

[] Johnny Mathis, Um Clássico

Existem certos artistas, em qualquer área, que em determinada altura de suas vidas, ultrapassam aquelas barreiras de classificações e rótulos.

Estão muito além e acima destas divisões didáticas. Simplesmente são, existem, cantam, atuam e atravessam décadas e modismos e resistem bravamente às tempestades de um só verão.


Johnny Mathis é um destes artistas. Tem uma carreira consagrada de mais de 50 anos, já gravou 94 LP’s e CDs, e está aí, vive, canta, vende e faz sucesso.
Ninguém na face da terra fica 50 anos cantando por aí se não tiver público pra consumir sua arte...

Pode parecer simplista o raciocínio, mas é isto mesmo. Para certas coisas, não adianta muitas teorias de marketing e estudos antropológicos.

Johnny Mathis nasceu em 1935 no Texas; seu pai tocava piano e cantava nos bares. Johnny era um excelente aluno e um atleta respeitado no colégio onde estudava.

Mesmo assim, em 1955, cantava em algum local noturno nos finais de semana, sempre causando um impacto e uma ótima impressão na platéia. Pela afinação, pelo timbre de voz e pelas melodias escolhidas.

Johnny encontrou o ponto "G" do público; e, mais difícil ainda, soube atingir e agradar ao mesmo tempo os muito jovens e os nem tanto assim...

Uma das proprietárias de um destes bares convenceu um executivo da Columbia a ouvi-lo, que após a apresentação enviou um telegrama para a matriz, dizendo mais ou menos assim:

“Encontrei um fenômeno de apenas 19 anos com toda a garra e potencial para deslanchar em uma longa carreira. Mandem um contrato em branco”

Gravou seu primeiro disco em 1956, e a partir daí, um sucesso após o outro.
Vieram “Wonderful, Wonderful”, “It’s not for me to say”, “A certain smile” e “Chances are”, que ficou em 1# lugar nas paradas um tempão...

Johnny começou a década de 60 fazendo uma seqüência interminável de sucessos.
Eram músicas muito bem arranjadas, bem orquestradas e eram de um “romantismo-jovem”, sem o peso de grandes dramas.

Estou falando de um cantor que nesta época não tinha 30 anos...Seus LP’s e “compactos” faziam parte da discoteca do adolescente, como da discoteca dos pais desse adolescente.

Suas interpretações de 2 temas de “West side story” (Amor Sublime Amor) correram o mundo: “Maria” e “Tonight”.

Mas quando gravou “Misty” tornou esta música “a sua música” e todas as rádios do mundo tocavam, todos os cantores cantavam...e novamente paradas de sucessos e milhões e milhões de discos vendidos pelo “world”...

E agora, cinqüenta anos depois daquele primeiro disco, Johnny Mathis lança um novo cd com grandes e eternos “standards”. O nome do disco é
“Isn’t it romantic : The standards album”, que tem:

@ Isn’t romantic
@ Love is here to stay
@ Day by day
@ Dindi
@ There’s a kind of hush
@ This can’t be love
@ Cottage for sale
@ Almost like being in love
@ The rainbow connection
@ Over the rainbow = com a participação
luxuosa de Ray Charles.

Então, é isso, Johnny Mathis tornou-se um clássico.
Independente da nossa vontade ou da dele...

Edição nacional, selo Columbia, distribuído por “Sony Music”.

3 comentários:

Otávio disse...

Johnny Mathis faz parte daquelas seleções de “música para ouvir e sonhar”. Coisas de minha adolescência babaca. Bom saber que ele ainda canta e está vivo. Quando eu vi a foto e o nome dele no começo deste post logo pensei - lá se foi o pobre! Não que o seu blog seja referência para isto, mas você sabe que a quantidade de gente que morreu, ou quase, é bem grande por aqui. Parabéns pela lembrança!

MARIA DE FÁTIMA disse...

Eu amo JOHNNY MATHIS
Sua voz doce embalou
meus sonhos por muitos anos.
a como queria, ter conhecido pessoalmente.

Anônimo disse...

Johnny Mathis é um monstro sagrado.Sua voz aveludada, sua irretocável interpretação, sua doçura,seu esmerado repertório ultrapassam qualquer tempo, pois toca fundo nossos sentimentos.Adoro Johnny, desde que comecei a ouvir música no rádio. Até hoje compro seus CD e tenho um DVD de suas mais belas cançôes. Coloco para vê-lo e ouvi-lo, bebendo um bom vinho francês.