SEMPRE MÚSICA . . .

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

[] Jukebox

Sempre fui fascinado pela beleza destas máquinas de tocar músicas...são coisas únicas, das formas mais variadas, cores absurdas, elementos decorativos, vidros, botões...

Houve uma época que aqui no Brasil, pelo menos em alguns estados, alguns bares ou casas noturnas tinham alguma jukebox. Tanto como enfeite, como caça-níqueis.

E como nos filmes americanos que a gente vê até hoje, era só colocar as moedas correspondentes, marcar a combinação de letra e número no painel, e esperar que a música escolhida começasse a tocar. Era quase como um caixa eletrônico musical...

Isso me lembra aquelas lanchonetes meio “country", ao lado de postos de gasolina, onde alguém estaciona uma camioneta “Fargo”, desce meio empoeirado, pede uma cerveja no balcão, põe uma moeda na “Jukebox” e espera que a Patsy Cline camece a se lamentar cantando “Crazy”.

Ou ainda, jovens meio rebeldes, mas completamente inofensivos, com um copo gigante de “7-UP”, canudos coloridos e jaquetas de couro surradas. E de fundo, claro, um rock-balada saído quentinho da “Jukebox”, enquanto combinam animados, na mesa com aqueles bancos altos, a festa logo mais à noite, na casa da Mary Lou, ou da Lorelei, ou ainda , se os pais dela deixarem, na casa da Cindy-Mae...

Clichê? Pode ser,claro, mas que mal tem? Afinal se pensarmos bem, a vida não é repleta de pequenos e grandes clichês?

É uma coisa assim meio “American Graffiti”...é uma remembrância, que gosto de vez ou outra pescar no meu HD...

3 comentários:

Adriana disse...

Uma peça tão interessante quanto esta é o gramofone.Tocava os primeiros "Cebolões"(discos de vinil).Uma raridade e uma peça muito bonita.

Otávio disse...

Na minha juventude (que coisa antiga!) eu já tinha deixado as Gerais e morava em São Paulo, perto de casa tinha uma lanchonete, coisa para lá de comum na época, que tinha uma jukebox. Muito coloquei fichas e ouvi as baladinhas que saiam do som destes aparelhos, eram fantásticos.

Chrises disse...

Sempre fui fascinada por essas maquininhas também, Roberto. E, parabéns pelo blog, cheio de estilo!