SEMPRE MÚSICA . . .

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

[] Tanti Auguri, Gino ! !

Qualquer pessoa com mais 40 anos e que tenha uma ligação com a música, por menor que seja, vai lembrar, cantarolar ou assobiar “Sapore di Sale”, certamente.

No início dos anos ’60, esta música era executada obrigatoriamente em todas as emissoras de rádio do Brasil, sem falar na Itália, país de origem do compositor e intérprete Gino Paoli.

Naqueles tempos, a música italiana era muito popular aqui entre nós, fazia parte de qualquer discoteca das emissoras de rádio ou da casa das pessoas.

Nesta mesma época, Sergio Endrigo, nostálgico como sempre emocionava o mundo com “Io Che Amo Solo Te”... quem não lembra? Tanto é assim, que a RCA Victor lançou uma série com diversos títulos e intermináveis volumes como “Gli Anni Moderni”, “Fortíss
imo”, “Più Fortíssimo”, “Gioventù” e assim por diante...

Era uma maravilha, pois num único LP, por exemplo, podiam cantar em nossa casa a qualquer momento, Rita Pavone, Nico Fidenco, Edoardo Vianello, Michelle, Catherine Spaak, Wilma Goich, recém casada com Edoardo Vianello e mais uma infinidade de intérpretes que fascinavam os amantes da música italiana... sem falar em Domenico Modugno, que em 1958 e 1959 havia explodido mundiamente com “”Nel Blù, Dipinto di Blù” (volare...ôô...cantare, ôôôô....nel blu...) e “Ciao, Ciao Banbina”, também conhecida simplesmente como “Piove”...

Pois bem, Gino Paoli, acaba de lançar um disco comemorando seus 50 anos de uma carreira sempre regular, embora não espalhafatosa nem cheias de ups and downs como a de
muitos artistas, tempo em que, discretamente e com muita qualidade, foi escrevendo seu nome definitivamente na história da música italiana.

Gino é o responsável por clássicos como “Senza Fine”, lançado por Ornella Vanoni e aqui no Brasil gravado por Caetano Veloso e também por Zizi Possi.

É de Paoli também outro super-clássico-indispensável da Itália, “Il Cielo In Una Stanza”, lançada pela grande Mina no início dos anos ’60 e até hoje cantada e tocada mundo a fora com os mais diferentes arranjos.

O disco, intitulado “Storie”, é uma celebração do talento de Paoli como letrista, músico e extraordinário pianista que é, e obviamente traz seus grandes e eternos sucessos, após um show de lançamento no “Auditorium Parco Della Musica di Roma”.

Tanti Auguri, Gino ...


Sapore di sale, sapore di mare... Che hai sulla pelle, Che hai sulle labra quando esci dall’acqua e ti vieni a sdraiare...viccino a me, viccino a me...


5 comentários:

Anônimo disse...

OLÁ 'ROBERTO'
Era ainda miúda e lembro-me desta música Sapore di Sale pois foi um grande êxito por cá; No verão os adultos tinham o hábito de passar os serões dançantes na Rota do Sol perto da praia de Carcavelos e nós os miúdos ficávamos a brincar nos jardins e a ouvir a música ao vivo UMA MARAVILHA!
Xi-Coração e Beijos mil, Ana

Adriana disse...

Boa lembrança.

Anônimo disse...

Viva Roberto Bezz

Vai falar de Norah Jones, último trabalho "the Fall" ???
fantástico acredite !!
Lisboa, mjose

Paulo Ricardo Sachs disse...

Continuas com excelente gosto *_______*

Rose disse...

Fui em busca de uma nota musical verde e achei uma postada por ti, gostaria de usá-la, teria problema? Agradeço